Como habilitar o trace para identificar problemas de performance no Oracle EBS

habilitar o trace - post

Já precisou habilitar o trace no Oracle EBS para identificar problemas de desempenho?

O E-Business Suite fornece uma série de ferramentas de troubleshooting para que seja possível diagnosticar problemas com uma maior facilidade.

Temos o Debug Log para depuração, o Record History para um histórico de atualização de registros, os EBS Analyzers que fazem uma varredura e fornecem possíveis soluções para problemas (até dicas de setup) e o Trace, que utilizamos para identificar problemas de performance.

Nesse artigo será mostrado como habilitar o trace no Oracle EBS.

Se você quer saber o passo a passo, acompanhe esse artigo para saber mais sobre:

  • Habilitar o trace para um form
  • Habilitar o trace para um programa concorrente
  • Habilitar o trace para uma tela OAF

Habilitar o trace para um Form

Quando pesquisas em um determinado form estão levando muito tempo para serem finalizadas, uma boa pedida é ativar o trace.

O ideal é ativar apenas momentos antes da consulta problemática ser realizada, assim conseguimos isolar o problema e fazer com que as estatísticas do trace sejam apenas dessa pesquisa.

Para isso, abra o form, navegue até onde for necessário e antes de executar a consulta com problemas, ative o trace acessando:

🔎 Help » Diagnostics » Trace » Regular Trace

habilitar o trace - acesso

Uma mensagem aparecerá confirmando a ativação do trace e indicando o caminho em que ele será gravado:

habilitar o trace - path

Guarde esse caminho.

Agora efetue a consulta e, assim que terminar, desative o trace pelo mesmo caminho mas dessa vez escolhendo “No Trace”.

Uma outra mensagem aparecerá confirmando a operação e mostrando novamente o caminho.

Nesse momento o trace já foi gerado.

Agora é necessário utilizar a ferramenta TKPROOF para tornar esse arquivo legível (o trace gera uma arquivo em linguagem de máquina).

Essa tarefa geralmente fica para o ATG responsável pelo ambiente, então você pode enviar esse caminho para ele e solicitar o arquivo “formatado”.

Isso se você tem conhecimentos técnicos e será o responsável pela análise do trace, caso contrário, o próprio ATG fará a análise e você só ficará responsável pela geração do arquivo.

Habilitar o trace para um Programa Concorrente

Se um concurrent está com problemas de performance, você pode ativar o trace de duas maneiras:

#01. No cadastro do concurrent

No form de cadastro de programas concorrentes, basta habilitar o flag “Enable Trace”:

habilitar o trace - concurrent flag

Não esqueça de desabilitar quando finalizar os testes.

#02. No momento da execução

Essa opção permite habilitar o trace somente quando o concorrente for executado.

Na janela de submissão, basta clicar em “Debug Options”:

habilitar o trace - debug options button

E depois ativar o trace:

habilitar o trace - enable trace

📌 Para que esse botão esteja habilitado, a profile Concurrent: Allow Debugging deve estar com “Yes”.

Depois que o concorrente finalizar é só comunicar o ATG.

Habilitar o trace para uma tela OAF

Para ativar nas telas OA Framework é só clicar em Diagnostics, no canto superior direito:

habilitar o trace - diagnostics oaf

Escolher Set Trace Level e clicar em Go:

habilitar o trace - set trace level

Escolher o tipo de trace e clicar em Save. Anote o número gerado e execute o processo a ser analisado:

habilitar o trace - trace regular

Após finalizar, desative o trace.

Conclusão

O trace muitas vezes é o único recurso que temos para conseguir identificar problemas de desempenho, por isso vale a pena conhecê-lo e saber como utilizá-lo.

Gosto bastante dessa parte de troubleshooting no EBS, um profissional que entende bem essa parte consegue resolver sozinho a maioria dos problemas, sem depender de terceiros ou chamados na Oracle, economizando bastante tempo.

Se você gostou desse conteúdo, não esqueça de compartilhar com seus contatos.